Lilian Divina Leite

Fracionada

Fracionar no dicionário significa dividir em partes, acho que me fracionei então, nesta vida pelos muitos lugares onde passei, com pessoas  que conheci e tive que deixar.

Lembro a última vez que andei pelas ruas de Rio Branco, no Acre, olhando para aquelas pedras, eu chorei, chorei porque não poderia conviver mais com as pessoas que aprendi a amar, chorei por mais uma vez ter que mudar tudo e deixar os laços que criei para trás, chorei porque me fracionei, mais uma vez.

Toda vez que pessoas vêm e vão de nossas vidas, deixamos um pedaço de nós nelas, nos fracionamos então, e isto dói.

Eu sinto saudades, o tempo todo, convivo com isto. Tem pessoas que convivem com uma perda, eu convivo com várias frações deixadas por aí, em  cada um  dos lugares onde morei, com tanta gente que conheci e me apaixonei. Sinto falta da Tia Meire que morava no funda da minha casa em Uberlândia – MG, sinto falta do seu rosto na janela me chamando para almoçar com ela. Meu Deus, eu nem sei se é possível encontrá-la novamente, nem mesmo sei se está viva.

Eu sinto saudades da Orlinda , uma senhora de aproximadamente 60 anos que me ensinou muita coisa, compartilhamos tanto uma com a outra, fecho os olhos e posso ouvir suas gargalhadas na minha cozinha em Porto Velho – RO, tentei encontrá-la quando visitei a cidade depois alguns  anos, mas ela não estava mais lá. Queria tanto rir, chorar e orar com ela novamente.

O que falar dos 5 anos de faculdade em Cacoal – RO, tantas lutas, tantas vitórias e tantas pessoas incríveis que conheci naquele lugar, graças a Deus, a maioria das pessoas eu consigo encontrar no facebook, mas não é a mesma coisa. Eu queria ir ao mercadinho onde eu fazia compras fiado e contar para a dona do mercado que eu consegui me formar, sei que ela torcia por mim. Queria mais um dia ir à Pizzaria com a Rúbia e Carliane.

Fiz as contas de quantas vezes já me mudei de casa, de Cidade e as vezes Estado, foram 23 vezes, talvez tenha esquecido alguma, mas lembro de arrumar as malas e mudar tudo por 23 vezes. Penso que me fracionei bastante com isto. Faz 6 anos que não me mudo, mas apesar disso, para minha tristeza já tive que me fracionar algumas vezes, não é a inércia que impede o fracionamento, na verdade, eu acho que nada impede isto. A vida é assim. E quando percebemos, mesmo não querendo, não planejando, ficamos completamente fracionados.

Hoje, acho que de certa forma, aprendi conviver com isto. Acostumei deixar uma parte de mim nos lugares onde passei e pedaços de mim em pessoas que amei e que por algum motivo não estão mais aqui.

Desprendimento, tudo isto me ensinou a desprender, pois não importa o que eu faça, não dá para sair por aí catando os pedaços de mim e tentar juntar novamente. Porque não são mais meus, são dos lugares e pessoas que passaram por mim.

Fracionada, estou assim hoje e sei que isto não para por aqui, isto vai continuar porque não vou desistir de conhecer lugares e pessoas. E se, fracionar-se  é um risco que corro, prefiro correr este risco a nunca ter conhecido lugar algum e nunca ter amado ninguém.

São Paulo, 05 de Abril de 2016.

abril 9, 2016 Posted by | Uncategorized | Deixe um comentário

   

%d blogueiros gostam disto: